domingo, 15 de fevereiro de 2015

“QUEM SALVARÁ NOSSOS FILHOS?"



 
“Porquanto Eu o escolhi, para que instrua seus filhos e todos os seus descendentes acerca de conservarem-se no Caminho do SENHOR, praticando o que é justo e direito, a fim de que o SENHOR faça vir sobre Abraão tudo quanto lhe tem prometido!” (Gn. 18:19)

“Ensinai os mandamentos do SENHOR aos vossos filhos, conversando acerca deles quando estiverdes sentados em casa e nos momentos em que estiverdes andando pelos caminhos, ao deitardes e quando vos levantardes para um novo dia;” (Dt. 11:19)

“Nas trilhas dos perversos existem espinhos e ciladas; quem deseja proteger a própria vida deve afastar-se deles. Ensina a criança no Caminho em que deve andar, e mesmo quando for idoso não se desviará dele!” (Pv. 22:5-6)

“Tão somente guarda-te a ti mesmo e cuida bem da tua própria alma, a fim de que jamais te esqueças dos muitos sinais que os teus olhos contemplaram, e para que tais vivas recordações nunca se apartem do teu coração, em nenhum dia da tua vida. Ensina-as com dedicação aos teus filhos e aos teus netos”.
(Dt. 4:9)

“O que ouvimos e aprendemos, o que os pais nos contaram, não o ocultaremos aos filhos; transmitiremos à geração vindoura as gloriosas realizações do SENHOR,seu poder e as maravilhas dos seus feitos.…”(sl. 78: 3-4)


            Hoje acordei lembrando de um filme de 1993 – ano em que minha filha Victória nasceu – “Enchente, quem salvará nossos filhos?” É um filme estadunidense de 1993, produzido diretamente para a televisão. É baseado na história de 43 jovens que foram levados por uma enchente relâmpago no rio Guadalupe, quando voltavam de um acampamento em Comfort, Texas, no dia 17 de julho de 1987 . Foi a pior enchente do rio Guadalupe desde 1932 . Foram 10 mortes, incluindo uma adolescente que caiu de um helicóptero enquanto estava sendo resgatada pois a corda arrebentou  . A correnteza foi tão forte que o ônibus e a van em que estavam os jovens foram encontradas muito abaixo no rio. Dos 10 corpos, um nunca foi encontrado . Este jovem recebeu a medalha Young American Medals for Bravery and Service, do presidente George Bush, em 1989 . Assiti muitas vezes esse filme, e até hoje quando é exibido na TV a Vick gosta de assiti-lo.
            Mas porque me lembrei dele hoje? Desde ontem assisto os noticiários, e não vejo nada além de notícias sobre blocos de carnaval, desfile de escolas de samba. Parece até que o País parou e se curvou diante de Baal - Baal (em hebraico: בַּעַל) é uma palavra semítica que significa Senhor ou Lorde. A raiz da palavra significa ele governa, ou ele possui, de onde vem o significado literal de senhor ou lorde, e também de marido. Baal, com o artigo definido, o Baal, era o nome do principal deus masculino dos fenícios e cartagineses, e aparece na Bíblia no plural, como baalim. Baal é identificado como Moloque – “Não entregue os seus filhos para serem sacrificados a Moloque. Não profanem o nome do seu Deus. Eu sou o Senhor.” (Lv. 18:21).
            Segundo as escrituras os povos amorreus por volta de 1900 a.C. adoravam a Moloque. Há quem diga que nos rituais de adoração havia atos sexuais e sacrifícios de crianças. Estas eram jogadas em uma cavidade da estátua de Moloque, onde havia fogo consumindo assim a criança viva. Ele era, ao mesmo tempo, um fogo purificador, destruidor e consumidor. A aparência de Moloque era de corpo humano com a cabeça de boi ou leão, no seu ventre havia uma cavidade em que o fogo era aceso para consumir sacrifícios. Muitos povos adoravam a Moloque, porém com o fortalecimento do povo Hebreu e de outros reinos, estes povos foram desaparecendo, deixando o costume de adoração a Moloque. Pelas ordens de Deus dadas ao povo hebreu através de Moisés, era proibido, expressamente, a adoração a Moloque, bem como também o sacrifício de crianças a ele, sendo este severamente punido (Lv 20,2-5).Moloque era conhecido também com Malcã. Os gregos antigos identificaram este deus cananeu, adorado pelos cartagineses com sacrifícios de bebês, com Cronos. A palavra Moleque é uma palavra africana proveniente do noroeste da Angola, onde tribos que adoravam Moloque colocavam o nome de moleque ou moleka, em crianças que estavam destinadas ao dêmonio Moloque.
            Na sexta-feira (13), em cerimônia oficial o prefeito da cidade do Rio de Janeiro entregou a “chave da cidade” ao Rei Momo - Na mitologia grega, Momo era o deus do sarcasmo e do delírio. Usando um gorro com guizos e segurando em uma mão uma máscara e na outra uma boneca, ele vivia rindo e tirando sarro dos outros deuses. Com esse jeitão esculachado, aprontou tantas que acabou expulso do Olimpo, a morada dos deuses. Ainda antes da era cristã, gregos e romanos incorporaram essa figura mitológica a algumas de suas comemorações, principalmente as que envolviam sexo e bebida.
            Assistindo os noticiários, principalmente os do Rio de Janeiro, entendi perfeitamente porque nossos pais nos levavam a retiros espirituais na época do carnaval. O que era muito bom, lá renovávamos as forças para encararmos um mundo cheio de espinhos e ciladas preparadas para nos afastar do D’us Eterno. O filme que citei acima fala justamente disso, de jovens que foram a um acampamento religioso. Diante da tragédia da enchente, os pais desses jovens se desesperam, questionando: quem salvará nossos filhos da enchente? Hoje quero questionar o seguinte com vocês: Quem salvará nossos filhos desse mundo cada vez mais “enchido” pelo mal? Isolarmos nossos filhos em acampamentos de retiro espiritual nada valerá se nossas vidas não estiverem cheias pelo verdadeiro cristianismo, se nosso ser não estiver tomado por uma enchente de práticas cristãs que denotem que somos do Senhor D’us.
            A Palavra de D’us nos instrui que devemos ensinar nossos filhos o caminho que eles devem andar, e quando forem velhos não se desviarão dele. Então pergunto: Por que vemos tantos filhos de “crentes” frequentando locais que não agradam ao D’us Eterno? E aprovando os que assim o fazem? Eu mesma respondo, “Porque o Senhor disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca, e com os seus lábios me honra, mas o seu coração se afasta para longe de mim e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, em que foi instruído;” (Is. 29:13), “Hipócritas! Bem profetizou Isaías sobre vós, denunciando: ‘Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim. Em vão me adoram; pois ensinam doutrinas que não passam de regras criadas por homens”.(Mt. 15:7-9)
            Só há uma maneira de salvarmos nossos filhos da enchente de imoralidade, promiscuidade, beberrice, e tudo que não agrada a D’us que são práticas dos dias de carnaval e do cotidiano do homem sem D’us – vivendo o que a vida cristã - “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não são do Pai, mas do mundo. E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.” (1 Jo. 2:15-17). Somente assim através do nosso amor a D'us e a verdadeira prática dos Seus ensinamentos,  nossos filhos serão salvos, porque eles aprenderão pelo nosso exemplo, e todos sabem que os filhos aprendem tudo pelo exemplo desde a meninice.
            O que faremos? Deixaremos a enchente do mal levar nossos filhos? Ou seremos o “galho” que eles terão para se agarrar para não serem levados a morte eterna.

D’us nos abençoe.

Rosana Márcia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário